quinta-feira, 13 de novembro de 2008

A trilha
Pela proximidade ao mar
Banhei-me de ilusão
Peixe de aquário
A ponto de me afogar
Nas profundezas da própria escuridão

No que parecia o último suspiro
O globo completou seu giro
Da lama começou a se afastar
Revelando a chama que mantinha
E acendendo as tochas pela trilha

O próximo oceano para mergulhar
Incandescente, alquímico
Com indizível força de atração
A partir do ponto onde os mares não se misturam...
Evapora a diferenciação

Todas as cores em uma só
Momento presente em todos os momentos
Quando ultrapassar a última fronteira
Tão distante da inicial poeira
Serão escritas as últimas palavras


Escrito em 18/09/2008

12 comentários:

  1. Lindo poema.
    De fato pensamos que muitas vezes ouviremos nosso próprio "último suspiro", e é aí que o mundo gira.
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  2. SEus poemass são ótimos.

    Parabéns !!!

    ResponderExcluir
  3. Ahhhhhhhhhh estas suas rimas que eu adoro, e olha que vc sabe bem, que eu odeio rimas,rs.
    palavras suaves, palavras doces, palavras sinceras!

    Otimo Raaafa! :)

    Mil beijos

    ResponderExcluir
  4. è tudo um grande cíclo, uma moenda feita em cíclo. abraço :)

    ResponderExcluir
  5. ultimas palavras...
    humf...
    não gosto disso...
    rs
    bjinhosss

    ResponderExcluir
  6. aaahh, adorei essa cara de "profecia"

    adorei o blog!

    beijo enorme..

    ResponderExcluir
  7. Que delicia de poema...

    O meu problema é que mesmo longe do mar me banho de ilusão e logo depois sofro!

    Beijosss

    ResponderExcluir
  8. Que poema!!

    Assim é a vida, onde um ciclo se fecha, mas outro se abre!
    Onde uma trilha termina, mas outra começa!

    Bjs e obrigada por suas sempre tão doces palavras no meu cantinho!

    ResponderExcluir
  9. Cassetada brow,muito bom

    ResponderExcluir
  10. Belas palavras, Victor!
    E quanto ao seu comentário, logo percebi um Platão!!
    Aliás, você tem uma veia filosófica muito forte! :-)
    Bjs

    ResponderExcluir
  11. Me parece uma visão surreal da morte (lírica)e que acaba transposta pela própria força interior que só se descobre em situações extremas. Uma espécie de "Big Bang", um caos que gera a ordem... Adoro sua filosofia poética, viajo junto contigo nisso...
    Beijinhos!

    ResponderExcluir