quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

não necessita de um título

nada do que escrevo ultimamente me agrada, me falta espontaneidade e a essência que sempre envolveu o ambiente e a mente.
sei que é algo que depende exclusivamente de mim, porém é como se tivesse perdido o rumo...
agora reflito sobre o ocorrido e vejo que pode ser devido à transformação do meu Ser, algo dolorido e necessário.
neste período confuso, ainda estou descobrindo meu caminho, e espero trilhá-lo com passos firmes e conscientes.
a consciência é o que sempre enxerga os limites, e também o que pode superá-los.


04/12/2008

13 comentários:

  1. Então..
    nesse caminho, tente olhar as flores que estão a sua volta...
    tente sentir o aroma do sereno em terra molhada...
    a brisa que passa e leva os momentos ruins e trazem as lembranças que nos faz sorrir a toa!!


    bjs

    ResponderExcluir
  2. sabemos que teremos que passar por esses caminhos, escrevemos textos, prosas e poesias sobre ele, mas quando estamos de fato nele, não sebemos como agir e/ou reagir.
    o importante é vivê-lo, e ter a certeza que o atravessamos com dignidade e coragem.

    ResponderExcluir
  3. amigo,obrigado pela visita,volte sempre.
    amigo,voce tem talento,dom,e vertude.cotinue assim.

    caro,será que gostaria de fazer-mps parceira?

    ResponderExcluir
  4. Porfavor encontre o rumo de volta.
    hehe.

    Sei que vc consegue.

    Abraço.

    ResponderExcluir
  5. Victor,

    todos passamos por estes momentos de confusão, irritação, falta de compreensão... Mas acho que é apenas porque nos recusamos a encarar a verdade dos fatos... alguém em algum lugar me disse que se existem perguntas, é porque há respostas... Mas somos capazes de suportá-las?

    Beijos (Des)conexos!;)

    ResponderExcluir
  6. Victor,

    todos passamos por estes momentos de confusão, irritação, falta de compreensão... Mas acho que é apenas porque nos recusamos a encarar a verdade dos fatos... alguém em algum lugar me disse que se existem perguntas, é porque há respostas... Mas somos capazes de suportá-las?

    Beijos (Des)conexos!;)

    ResponderExcluir
  7. Precisas do que já tem... da coragem de assim se revelar e da força para o agir.

    Abçs meu caro,





    Novo Dogma:
    saCro...


    dogMas...
    dos atos, fatos e mitos...

    http://do-gmas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. O instante do nada nada mais é do que
    o momento em que se revela tudo.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  9. Penso que com o tempo você descobri o caminho certo a seguir... o importante é não parar de caminhar!
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Os olhos do poeta vão além da matéria.

    Abç.

    ResponderExcluir
  11. Ah, como gosto de ler seus textos, sempre trazendo uma bela reflexão!

    Posso dizer que mesmo quando estamos confusos, a visão fica meio embaçada, sentimentos se cruzam e por momentos até parece que a inspiração se perdeu, mas lá no fundo o poeta permanece e as situações dificeis são para que cresçamos e possas viver e escrever mais belos textos!

    Bjs

    ResponderExcluir
  12. Como dizia o poeta...


    Puxa... esqueci... os poetas são assim mesmo, às vezes eles esquecem...

    Ahhh.... mas isso passa... passa sim!

    Abraços....!

    ResponderExcluir
  13. É isso aí, primo! Quando a gente não consegue escrever para fora, é porque está rabiscando lá dentro.

    Abração!

    ResponderExcluir