quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Almas sem rumo

Numa rua, numa praça
Num canto com seu pranto
Tenha chuva, tenha sol
Lá estão eles
Sujos, desnudos
Com fome, com frio
Sem chance, confiança, sem nada...

Não têm escolha
Apenas vivem sem viver
Apenas seguem sem saber
Não têm escolha

Girassóis sem força
Altos e baixos
Fortes e fracos
Marias, Antônios, Madalenas e Josés

Chega noite
E lá estão eles
Lá ficam eles
Sem nada

14 comentários:

  1. Às vezes penso em desalmados, às vezes penso que a alma é uma das únicas coisas que eles têm...mas como não estou em sua pele, só posso fazer inferências do que tenho em minhas referências, teoricamente falando...pois cada um sabe exatamente e singularmente o tamanho de seu pranto, e onde dói. uma pena não termos possibilidade de abrigá-los em um resquício de infelicidades menores!

    ai ai...a vida é dura, não? e isso porque temos o fundamental para uma qualidade de vida boa, faltam coisas, mas sempre vai faltar algo, acho difícil a sensação de ter alcançado tudo...se alçançou, o que mais buscará? a vida fica sem sentido, uma existência sem sujeito...desmotivado, aos cacos caminhando até quando findarem-se os ares e olhares de seu mundinho.

    ResponderExcluir
  2. São olhos trsites nas calçadas, (in)visiveis aos olhos de todos aqueles que nao querem ver.

    ResponderExcluir
  3. é como diria uma poesia do raul em seus raros momentos de lucidez:
    "FRUTOS DO MUNDO SOMOS OS HOMENS, PEQUENOS GIRASSÓIS QUE MOSTRAM A CARA, ENORME AS MONTANHAS E NÃO DIZEM NADA".

    ResponderExcluir
  4. Minha alma
    ainda não está sem rumo!
    hehehe!!
    AbraçOo!
    Bom FDS!

    ResponderExcluir
  5. creio que somos todos almas sem rumos, tentando encontrar um caminho a seguir, uma razão para existir.

    obrigada pela visita

    beeijos

    ResponderExcluir
  6. "Noutros tempos a alma olhava o corpo com deprezo, e então nada havia superior a esse desdém; queria a alma um corpo fraco, horrível,consumido pela fome! Julgava deste moto libertar-se dele e da terra.
    Oh! Essa mesma alma era uma alma fraca, horrível e consumida,e para ela era um deleite e crueldade"

    [Assim Falou Zaratustra - Nietzsche].


    *Me pareceu apropriado!*

    ResponderExcluir
  7. Pois, é, deprimente meu caro! Graças a DEUS minha alma é rica. Rica de amor, rica de vida, rica de poesia!! E é por isso que eu escrevo, para aliviar a minha dor, para ter uma alma capaz de ouvi-la.

    ResponderExcluir
  8. De uma coisa estou certa:cada um escolhe (muitas vezes sem saber que o escolheu)o rumo de seu destino.Só que o criador sabe certinho o peso e a medida do fardo que cada ser carregará e ele nunca dá um maior que a força de cada pessoa.Pois é isso aí...Valeu?

    ResponderExcluir
  9. Vamo posta meus queridos.
    Ja gastaram toda a alma!

    hahaha
    :*

    Ps. eu sou a única desempregada?

    ResponderExcluir
  10. No final, os que estão no topo vão para o mesmo lugar dos que formentam sua base... Não seria melhor somar e dividir o tudo?

    ResponderExcluir
  11. É triste, mas verdadeiro...
    Tantas pessoas vagam pelo mundo sem esperança, sem expectativa, sem sonhos, acomodados com a vida que levam... sem forças para fazer diferença!
    Quero lutar, mesmo que eu esteja ferido, mesmo que meu coração permaneça sangrando!!

    "Os meus sonhos o vento não pode levar..."
    Oficina G3

    Bjs

    ResponderExcluir
  12. E eu espero encontrar do outro lado algo que realmente me satisfaça e me de uma razão de vida.
    beijinhos
    lindo poema!

    ResponderExcluir
  13. eu amei o comentario no meu blog!
    o cara feiot voce,que tem o dom da escrita perfeitamente notável me elogiando,foi extremamente surpreendente!
    e quanto ao texto,acho que não preciso nem comentar,maravilhoso.

    ResponderExcluir
  14. Muito bom kra!
    O habitual se torna natural por meio de um processo artificial.
    É como casca da laranja que jogada fora, por não caber na composição de um suco de caixinha.
    Está na calçada, nas ruas, na sarjeta aquilo que há de pior em nós e que não sabemos como lidar; a mania de excluir e de matar.

    Muito boa poesia!

    ResponderExcluir